Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Lugares onde já beijei o chão. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Lugares onde já beijei o chão. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 3 de maio de 2017

O problema é que eu dou-me nisto

Fui feita para viajar, tenho alma de viajante, sedenta de encontrar novos caminhos, novos desafios. Sou, portanto, um ser caminhante...

Desde quinta-feira, numas curtas mini-férias conjugais que andei mais que muito. Sozinha, falando com o meu pensamento (dá-me para isto de vez em quando, isto de falar sozinha), palmilhei Braga, vi-a por um canudo, arrastando a minha mala, descansei os pés até que o mê Bisalho me apanhasse. Um calor que aquecia a alma e aqueceu os meus tristes pézinhos de cinderela ao ponto de os inchar (prontes, coisas de velha, eu sei).

Em Ponte de Lima, na sexta, novamente só, caminhei ao longo do rio (credo, não pensem que foi desde a nascente até à foz, não fiz promessa, tá bem?), e descansei na relva húmida da margem do Lima.
Sábado foi dia de reabastecer forças e pela aldeia onde pernoitei vi paisagens que de outra forma passariam despercebidas. Dei atenção ao pormenor e à beleza da singularidade.
Domingo, logo cedo, arranquei de Ponte de Lima em direcção a Braga para o agendado almoço de bloggers. Foi um encontro de conhecidos desconhecido​s. Um dia "dos bons". Abracei, beijei, voltei a abraçar voltei a beijar. (Que querem? Sou rapariga dada a estas manifestações)...
Na segunda-feira bem cedo saí de Ponte de Lima, voltei a Braga (outra vez? Devem estar a dizer), rumei ao Porto e, pelas duas e trinta, descolei do Sá Carneiro, colei no Cristiano Ronaldo.
E..."acabou-se o que era doce" como eu dizia quando era canalha..
Por mim  voltava a fazer tudo de novo. Que vício mê dês, que vício!

sábado, 29 de abril de 2017

Ponte de Lima (como eu nunca a tinha visto)

Tantas vezes venho aqui a esta vila erroneamente considerada a "mais antiga de Portugal" e nunca a tinha visto reflectida na água do rio Lima.
Desde Arcozelo, freguesia situada na outra margem do rio Lima, é possível passear pelos jardins e, à beira rio, desfrutar da beleza singular desta vila medieval.

domingo, 23 de abril de 2017

Piscinas Naturais do Seixal

Sou rapariga de palavra como podem comprovar. O que é prometido é de vidro, perdão, é devido. São de água do mar, salgadas e naturais. Um regalo olhar para elas.
"Soberbo", como dizia um estrangeiro retendo a respiração.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Podia ser o Havai mas é Santa Cruz, ilha da Madeira

E no Havai não há pedras de calhau há um areal amarelo que com vento nos torna num croquete ou rissol pronto a ir à frigideira quando damos um creme para proteger a pele.
Tão bom sair da água sem areia entre os dedos dos pés! Tão bom mastigar uma maçã sem ter areia entre os dentes!

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Muitas vezes nem damos conta o quanto é reconfortante

Um banco, um jardim, relva, uma paisagem outonal, e eu que procurava um lugar para descansar, encontro-o ali, ao virar da esquina, onde o vento faz a curva. Tão perto e nem sabia o quanto é apaziguadora esta quietude.
Não é preciso muito para ser feliz

sábado, 11 de março de 2017

Acácias no Douro ou não sou eu uma rapariga apaixonada


Decerto sabem que não resisto a ver rios, principalmente, o Douro que por mim tem uma paixão. E eu por ele, digamos. E quando ele se esconde por detrás das acácias (ou mimosas, tanto faz) floridas, misturando o seu tom azulado com o amarelo das flores não resisto ao seu encanto e subo por ele acima para enchê-lo de carinhos. É o suficiente para nascer um romance entre nós dois.

domingo, 5 de março de 2017

E é amar-te assim perdidamente

Sou uma apaixonada pelo Porto (mas isso já toda a gente sabe), desde que o mê Bisalho (meu filho), optou por estudar nesta cidade. E, assim que posso, meto-me ao mar.
Porque ama ela o Porto? Perguntam vocês enquanto batem com as pontas dos dedos no tampo da mesa e franzem o sobrolho.
Não sei, só sei que é um amor correspondido. É uma relação para durar.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Não entendo! Camada de gente insatisfeita!

Hoje esteve frio; deixem-me acrescentar que para nós, madeirenses, frio é a temperatura aos treze graus. Pelas catorze horas estava a vinte e já se bufava de calor.
Nunca estamos satisfeitos. Se está frio reclamamos, se faz calor há queixas, se está a treze já se briga com o tempo porque está um frio do diacho, se logo de seguida sobe a vinte, como agora, já se ouve gente a dizer que "está impossível"...
Até eu que vesti uma camisola de lã já barafustei com o sol a ferver nos pés...
Será que algum dia vamos aceitar o tempo? Jamé!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Lugares de sonho. Londres para sempre




Sentada na minha cadeira de braços ao lado da Pulga, a Maiveilha, dou por mim absorta em pensamentos bons, de lugares por onde este corpo danoninho já andou.
Lugares esses cheios de memórias boas outras nem tanto.
Recordo-me da última vez que estive em Londres e foi precisamente em Novembro passado, para o funeral do meu irmão.
Oras, Londres, para mim, é a minha casa. É o sítio recorrente quando o dinheiro não abunda para acalmar o desejo de viajar. Quando uma vontade mórbida de arejar se instala no pensamento e fica a moer. Em banho-maria
Londres. Só a pronúncia da palavra me deixa de água na boca...

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Eu também fui à neve

Há quem viaje milhas para ir até à neve, há quem faça férias na neve todos os anos, pois eu, meus e minhas, nunca gastaria um cêntimo para sair da minha zona de conforto para ver branco mais branco. Detesto neve e frio já sabem, mas é agradável subir aos píncaros da Madeira para tocar no granizo. Apanhar frio e regressar ao calor...
Por isso também fui à neve numa de: "veja a neve cá dentro".

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Poupe água, ela não cai do céu

Eis a prova de que não é bem assim...
Ela cai do céu ali para os lados da Madalena do Mar. É lindo, não? E tem dupla função: lava o carro e a alma!

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

A ilha da eterna primavera

Não sabem onde fica? A CNN descobriu-a.
Mas eu sou rapariga simpática e gosto de divulgar aquilo que me faz feliz. Daí que essa "ilha da eterna primavera" é...
Exactamente. É onde me encontro. A minha Madeira.

(AQUI) podem ler o artigo todo.

domingo, 25 de outubro de 2015

Estou aqui viva e sadia

Eu sei que venho atrasada, mas caramba, eu sou uma rapariga do rural, ocupada, com família, com Pulgas, com trabalho até dizer ináfe.
Daí que, ontem, foi dia de receber família e amigos (e saibam que a chuva só me aborreceu, porque churrasco não se faz dentro de casa, não é?). E hoje a mana quis ir até à banda do norte ou melhor, até ao Porto Moniz e, vai daí, este meu humilde casebre ficou a modos que abandonado.
Amanhã a mana (de 75 anos) regressa ao sítio de onde veio e eu regresso à rotina.
Abençoada rotina!
Fotografias: Porto Moniz, hoje, domingo

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Deixem-me que vos diga

Jaccuzzei, espumei, turquei, saunei, piscinei, sardinhei, petisquei, descansei, cansei, abracei, amei, beijei... e...regressei.
Pior de tudo: não votei. Prometo que não reclamarei! Jamé!

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Diz que é hoje...

...que começa o Outono.

Fotografia: Braga, onde a 17 de Agosto, deste ano da graça, já havia folhas no chão a lembrar que ele estava a chegar...