Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Tudo vai mudar! Era após Trump(a)

Diz o senhor Trum(pa) que agora é o dono da América que tudo vai mudar. Eu acredito só quando presenciar a mudança.
Espero que seja para melhor porque para pior está bem assim.
Será que agora a Terra vai girar à volta do Trump(a)? É que ele tem um ego do tamanho do mundo! Quiçá julga que o seu umbigo é o centro da Terra.

Hoje é o dia em que...


....A América comete um crime contra a Humanidade.
É o dia em que o povo superior, a grande potência mundial, demonstra uma fraqueza sem igual.
É o dia em que a América elege um déspota, um futuro Hitler, um líder sem respeito pelas pessoas.
Hoje é o primeiro dia do resto das nossas vidas com um presidente sem escrúpulos à frente de um país que comanda o mundo.
Que Deus nos acuda!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Não entendo! Camada de gente insatisfeita!

Hoje esteve frio; deixem-me acrescentar que para nós, madeirenses, frio é a temperatura aos treze graus. Pelas catorze horas estava a vinte e já se bufava de calor.
Nunca estamos satisfeitos. Se está frio reclamamos, se faz calor há queixas, se está a treze já se briga com o tempo porque está um frio do diacho, se logo de seguida sobe a vinte, como agora, já se ouve gente a dizer que "está impossível"...
Até eu que vesti uma camisola de lã já barafustei com o sol a ferver nos pés...
Será que algum dia vamos aceitar o tempo? Jamé!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Dia Internacional do Riso

Porque hoje é dia de rir, sorrir, gargalhar até doer as entranhas, vamos dar aquela gargalhada solta, livre que faz tremer o mundo porque a vida é feita de pequenos e grandes momentos.
Riam darlingues enquanto o governo não se lembra de taxar o riso...

Viver à conta do governo é tão bom!

Que o diga os meus vizinhos, um casal cá da urbe que nada faz a nível profissional, e que faz-me pensar que quem vive à sombra dos que trabalham (e por isso descontam para estes) é que são uns felizardos.
Além de não se apoquentarem com as tarefas inerentes ao trabalho que, como todos sabeis, dão cabo da saúde e desgastam o cérebro, além de não cumprirem horários, além de não terem tarefas de cozinha uma vez que os filhos passam o dia na escola e por lá almoçam têm dinheiro suficiente para ter um Iphone 7.
Iphone7 é uma careza, senhores! Há muita gente que trabalha e não pode comprar este equipamento!

Mas por outro lado penso que uma vez que vivem em casa do governo com renda baixa, ou sem pagar, nem sei!,  uma vez que por isso os filhos têm apoio social, uma vez que auferem um rendimento social, esse é para as futilidades e para comprar um telemóvel topo de gama e andar a fazer "ciganas" a quem não tem.
Por isso, digo e redigo: mais vale viver de esmola do governo do que trabalhar....
Burra, otária que sou em não ter pensado nisso!

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Comeu demasiado no Natal?

Recebi um email com este título, escusado será dizer que corri a abrir à procura da dica ideal para parar de comer no Natal.
Ora bem, em nenhum parágrafo encontrei a resposta à pergunta.
Por isso, nada de novo. Toca a enfardar enquanto se pode... E depois uns pulinhos, uns cortes, uma certa moderação, umas litradas d'água, prontes, e tudo vai ao sítio. Ou talvez não.
Mas no Natal não há quem resista à boa mesa. E come-se muito, mas a culpa  não é nossa, não senhor e não senhora, a culpa é dela. Ela é que é a culpada.
A tradição. Sim, cá por mim não comia tanto, mas é tradição, por isso...
E vocês meus darlingues e minhas darlingues também comeram muito para manter a tradição?
Ou assim-assim?....

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Conto do vigário, cuidado

Assiste-se, cada vez mais, a pessoas que caem no engano. E não são "só" os velhinhos há gente culta com boas bases de conhecimento que caem na cantiga de alguém sem escrúpulos (mas com boa lábia, desculpem o termo), para enganar os outros.
Há dias ouvi, numa conversa de circunstância, uma jovem a desabafar que caiu na aldrabice.
Nunca digam "ah, e tal, eu não caio nessa!" porque num momento mais desatento lá está o vigário a contar um conto tão verosímil que acreditamos. Porque as palavras do vigário chegam ao coração. Cuidado com os falsos profetas!
Quem nunca foi enganada diga "eu"...